segunda-feira, 24 de junho de 2013

5º excerto da Canção de Rolando: Carlos Magno e o exército católico galopam para salvar Rolando

Carlos Magno em cetro de Carles VI, s XIV, As Cruzadas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Ouça o anterior


Excerto nº 5 : Carlos Magno e o exército católico galopam para salvar Rolando



(continuação)

Por vales e montanhas o exército cristão com Carlos Magno à testa acorre para salvar os heróis.

Eles rezam para encontrar Rolando com vida e junto com ele extinguir o inimigo da Cristandade.

Mas estão muito longe!

A tragédia vai atingido o climax.





Clique para ouvir :



XI
Hauts sont les puys et ténebreux et grands,
Altos são os montes, tenebrosos e grandes,

Les vals profonds et les gaves courrants.
Os vales profundos e os rios caudalosos.

Sonnent les cors et derrière et devant,
Tocam os clarins da frente e os de trás,

terça-feira, 11 de junho de 2013

4º excerto da Canção de Rolando: A Traição

Roland cai por terra. Carlos Magno chega. Muçulmanos fogem.
Padre reza a Missa pela vitória das armas cristãs.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Ouça o anterior



Excerto nº 4 : A traicão


(continuação)

Roland toca o olifante e Carlos Magno o ouve.

Ganelão, o traidor, finge que nada acontece, diz se tratar de brincadeira.

O duque Nimes percebe e denuncia a traição.

O heroicos francos estão morrendo em batalha! É preciso ir socorré-los!

Clique para ouvir :
 


VI



Lors dit Roland: « Cornerai l'olifant,
E Roland responde: “Eu tocarei o olifante,

L'entendra Charles qui au col est passant
“Ouví-lo-á Carlos que está atravessando as montanhas.

Je garanti: retourneront les Francs ! »
“Eu vos garanto: os francos retornarão”!



VII

Le preux Roland, par peine et par ahants,
O conde Roland, com grande esforço e aos haustos

Par grand douleur sonne son olifant,
Com grande dor, toca seu olifante.

Parmi sa bouche en jaillit le clair sang,
De sua boca escorre o sangue brilhante,

De son cervelle la tempe en est rompant
De sua cabeça a têmpora está se rachando.

Du cor qu'il tient le son est moult grand,
Do chifre que ele segura, o sonido sai muito forte,

Estatueta de Carlos Magno, museu do Louvre, Paris.
A trente lieues son écho se répand.
Seu eco se espalha trinta léguas em redor.

Charles l'entend, qui au col est passant.
Carlos, que está atravessando as montanhas, o escuta.

Lors dit le roi: « J'ouïe le cor de Roland,
O Rei diz: “Ouço o olifante de Roland,

N’en sonnerait s'il n'était combatant.
“Jamais ele tocaria, senão em combate”.

Dit Ganelon: De bataille est néant.
Ganelon responde: “Não tem nada de batalha.

Vous êtes dejà vieux et fleuri et blanc.
“Vós já estais velho, e todo encanecido e branco;

Par tels propos vous semblez un enfant.
“Por tais palavras vós pareceis uma criança.

Savez assez tout l'orgueil de Roland.
“Vós bem conheceis o grande orgulho de Roland.

Pour un seul lièvre il corne un jour durant.
“Por uma só lebre ele tocaria o dia todo.

Devant ses paires, sans doute, il va gabant.
“Nesta hora ele vai se gabando diante de seus pares.

Qui sous le ciel, l'oserait guerre en champ?
“Não há quem sob o céu ouse atacá-lo.

Donc chevauchez non plus vous arretant!
“Cavalgai, pois. Não vos detenhais mais!

Terre d'ailleux moult et loin ça devant! »
“Aliás, há muito caminho à nossa frente!”.


VIII

Le preux Roland a la bouche sanglante,
O prócer Roland tem a boca ensangüentada,

De son cervelle rompu on est la tempe.
De seu cérebro está rompida a têmpora.

L'olifant sonne à douleur et à peine.
Toca o olifante com grande dor e dificuldade.

Charles l'ouïe et les Francs le comprennent.
Carlos o ouve, e seus francos o escutam.

Olifante, dito de Rolando, Santiago de Compostela
Olifante, dito de Rolando. Santiago de Compostela.
Lors dit le roi: Ce cor a longue haleine.
E o rei diz: “Esta trompa tem longo alento”.

Répond duc Naimes: Un baron a grand peine.
O duque de Naimes responde: “Um nobre ali está sofrendo,

Bataille il y a, c'est la chose certaine.
“Há batalha. Isso é coisa certa!

Il a trahi celui qui vous conseille!
“Aquele que vos aconselha vos traiu.

Adubez vous et criez votre enseigne!
“Armai-vos, pois, erguei vosso estandarte insígnia,

Portez secours à votre maison gente,
“Socorrei vossa valente guarda;

Puisque entendez que Roland se lamente!
“Vós bem ouvis que Roland se lamenta!”

Continua em 5º : Carlos Magno e o exército católico galopam para salvar Rolando



GLÓRIA CASTELOS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE
Voltar a 'Glória da Idade MédiaCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVAL