Outras formas de visualizar o blog:

segunda-feira, 23 de março de 2015

Quase cego e imobilizado, Balduíno IV volta a vencer Saladino e a inépcia dos vassalos


continuação do post anterior: Diante de Beirute, Saladino foge de Balduíno IV

Diante de um adversário com a atividade de Saladino, teria sido necessário que o rei leproso estivesse sem cessar acima do cavalo para frustrar os planos inimigos.

As campanhas francas do outono de 1182 tinham salvo a independência de Alepo dos ataques do sultão.

Mas, no ano seguinte, a imperícia dos últimos reis turcos locais lhe entregou a cidade (junho de 1183). A partir dali, a Síria muçulmana pertencia ao grande sultão, do mesmo modo que todo o Egito.

Pese os esforços desesperados de Balduíno IV, a situação dos francos se degradava cada vez mais. Após a anexação de Alepo, Saladino voltou à sua boa cidade de Damasco a fim de organizar a invasão da Palestina (agosto de 1183).

Sabendo desta notícia, Balduíno convocou todas as forças francas nas fontes de Sephoria, na Galileia, ponto de concentração habitual das armas cristãs. Foi lá que a doença venceu seu heroísmo.

Após uma interrupção de alguns meses, a terrível doença retomou seus progressos. Balduíno IV entrou em estado terminal.

“Sua lepra – diz o cronista – debilitava-o até o ponto de ele não mais conseguir fazer uso de suas mãos e de seus pés. Ele estava todo apodrecido e ia a perder a visão”.

Nesse estado, quase cego, longamente imobilizado em seu leito, um cadáver vivo, ele ainda lutava contra o destino. Quem acompanhou sua atividade desde o início da doença compreende o combate patético e doloroso que ele livrou contra si mesmo.

Com sua alma heroica, ainda nesse estado ele queria governar. Em vão seus próximos o aconselhavam a abandonar suas funções, a retirar-se em algum palácio “com boas rendas, para viver honrosamente”.

Ele recusava, diz a crônica, “porque embora fosse débil de corpo, tinha a alma elevada e a vontade voltada para além das forças humanas”. Mas derradeiros acessos de febre acabaram por abatê-lo.

Impulsado pela unanimidade do sentimento islâmico, Saladino agiu com decisão. Uma frota egípcia posta por ele no Mar Vermelho, destruiu a flotilha franca.

E em novembro de 1183, à testa de um poderoso exército, ele foi pessoalmente assediar a fortaleza de Renaud de Châtillon, o famoso Crac de Moab, nosso Kerak, na Transjordânia.

Sob o bombardeio incessante da artilharia, a muralha ameaçava desabar quando, mais uma vez, a realeza salvou os vassalos imprudentes.

A labareda de um grande fogo aceso sobre a Torre de Davi, em Jerusalém, reproduzida por um castelo e outro, provocou a aparição de sinais iguais sobre as torres de menagem da Judeia meridional até o mar Morto. Ela anunciava aos sitiados do Crac de Moab que o auxílio se aproximava.

Apesar de parecer-se mais com um cadáver, Balduíno IV foi mais uma vez rei.

Cego, paralisado, moribundo, ele convocou suas tropas, a cuja testa pôs o conde de Trípoli, e as acompanhou numa liteira até Kerak.

Mais uma vez, Saladino fugiu diante dele, sem mesmo aguardá-lo.

O rei leproso fez uma entrada triunfal na fortaleza, saudado como um salvador pela multidão dos sitiados.

Ele reconfortou a guarnição, fez reconstruir as partes danificadas dos muros, e voltou a Jerusalém, após cumprir até o fim seu dever de chefe, em dezembro de 1183.

(Autor: René Grousset, de l’Académie française, L’épopée des Croisades, Perrin, Paris, 2002, 321 páginas, pp 171 e ss. Excertos).

continua no próximo post. Balduíno IV é enterrado ao pé do Gólgota, junto ao Santo Sepulcro



GLÓRIA CASTELOS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

segunda-feira, 16 de março de 2015

Diante de Beirute, Saladino foge de Balduíno IV

Unção de Balduíno IV. BNF, Français 5594, fol. 176v haut
Unção de Balduíno IV. BNF, Français 5594, fol. 176v haut

continuação do post anterior: Um rei leproso e herói, em uma corte decadente e pusilânime



O sultão concebeu então um projeto audacioso: separar o reino de Jerusalém do condado de Trípoli, empossando-se de Beirute.

Em agosto de 1182, ele atravessou o Líbano a toda velocidade e apareceu de improviso diante da cidade, enquanto uma frota egípcia chegava remando.

Mais uma vez o rei leproso foi o salvador do país. Da Galileia, onde estava acampado, acorreu ao galope com sua cavalaria, não sem antes ordenar a todos os navios cristãos, ancorados na costa, a partir a toda vela rumo a Beirute.

O movimento foi tão rápido que os planos de Saladino ficaram frustrados. Os habitantes de Beirute tinham também se defendido bem.

Quando o sultão soube da aproximação do rei, compreendeu que havia errado o golpe e voltou pelo interior do Líbano, não sem antes saquear sítios e plantações.

A brilhante libertação de Beirute provou que, a despeito de uma situação cheia de perigos, o Estado cristão resistia face a face ao inimigo por toda parte.

Embora representada por um infeliz leproso, a dinastia de Anjou cumpria com vigilância seu papel tutelar.

E que personagem de epopeia – epopeia cristã, em que os valores espirituais prevaleciam – foi esse jovem chefe que, com os membros roídos pelas úlceras e as carnes prestes a cair, se fazia conduzir à testa de suas tropas, galvanizava-as com sua presença de mártir e, em meio aos sofrimentos, teve a ufania de ver mais uma vez Saladino fugir!

O herói Balduíno IV tinha uma outra face: a de homem de Estado.

Uma vez que o reino ficara livre da invasão, ele se preocupou em defender a independência das dinastias islâmicas secundárias, como os atâbegs – turcos de Alepo e de Mossul da família de Nour ed-Din – contra as ambições hegemônicas do sultão.

Tendo Saladino atacado essas duas cidades, Balduíno IV não hesitou em executar em favor delas uma poderosa incursão diversiva no Hauran e no Sawad damasceno (setembro-outubro de 1182).

Melhor ainda, no transcurso de uma terceira expedição, Balduíno avançou das periferias de Damasco até Dareya.

Após essa brilhante cavalgada, conduzida até as portas da capital de Saladino, o rei leproso foi celebrar o Natal de 1182 em Tiro, junto a seu antigo preceptor e nosso historiador, o arcebispo Guilherme.

(Autor: René Grousset, de l’Académie française, L’épopée des Croisades, Perrin, Paris, 2002, 321 páginas, pp 171 e ss. Excertos).

continua no próximo post: Quase cego e imobilizado, Balduíno IV volta a vencer Saladino e a inépcia dos vassalos



GLÓRIA CASTELOS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

segunda-feira, 9 de março de 2015

Um rei leproso e herói, em uma corte decadente e pusilânime

Renaud de Châtillon, senhor díscolo e caprichoso pôs o reino a perder
Renaud de Châtillon, senhor díscolo e caprichoso
pôs o reino a perder

continuação do post anterior: Saladino é forçado a aceitar a paz diante do rei leproso



Infelizmente, o estado de Balduíno IV se agravava. A lepra se manifestava em toda a sua repugnância. E, com os estigmas, o temperamento do heroico jovem se toldava.

A herdeira do reino era sua irmã Sibila, a quem o marido, antes de morrer, deixou grávida de um filho, Balduíno V.

Como o rei Leproso podia desaparecer de um momento para outro e era de se prever uma longa regência, era necessário casar a princesa o mais cedo possível.

O rei e a corte procuravam um partido conveniente nas famílias soberanas do Ocidente, quando a princesa fez saber que seu coração estava com um jovem sem fortuna, sem educação e sem qualidades pessoais: Guy de Lusignan.

O romance foi ter consequências políticas desastrosas. Guy era desservido por suas qualidades negativas.

Tido como tapado na própria família, quando ficaram sabendo que “Guion” – como era apelidado – estava a ponto de ganhar uma coroa pelo raio de uma rainha fantasiosa, seu irmão mais velho estourou de rir: “Se Guy ficar rei, por que eu não ficaria deus?”

Resumindo os detalhes que nos fornecem os cronistas: uma corte em decadência, uma herdeira do trono que trazia um belo homem sem valor; a outra irmã do rei escolhia um jovem senhor insignificante, uma rainha mãe frívola, cúpida, só intervindo em favor de uma camarilha.

Por seu lado, o rei sucumbia sob a lepra e, apesar de seu grande valor, passava mais frequentemente o tempo aniquilado pela repugnante doença. Todos os elementos para a queda de um Estado.

Só um homem podia salvar o reino: o conde de Trípoli, Raimundo III. Mas ele era precisamente o odiado pela camarilha.

Mais um ator iria ganhar um lugar preponderante nas questões do Reino: o antigo príncipe de Antioquia, Renaud de Châtillon, que tinha saído das prisões turcas.

Vinte anos atrás, como príncipe de Antioquia, por suas malfeitorias e atrocidades ele tinha revoltado o império bizantino contra os francos.

Mas o que aconteceria se ele renovasse os mesmos atos de banditismo contra um adversário como Saladino?

Bruscamente, sem contrapeso nem freios, o velho aventureiro ia arrastar o reino para a aventura.

No verão de 1181, em plena paz e sem mesmo ter tido a ideia de denunciar a trégua, ele entrou na Arábia com a esperança de pilhar os peregrinos até a Meca. Ele não conseguiu executar seus projetos, mas surpreendeu e roubou uma caravana que ia tranquilamente para Damasco.

A notícia dessa agressão insensata atirou na consternação a corte de Jerusalém. Balduíno IV foi tomado de violenta indignação pela conduta de seu vassalo.
Saladino, Cristofano dell'Altissimo (c 1525–1605)
Saladino, Cristofano dell'Altissimo (c 1525–1605)

A paz, tão indispensável para os francos, fora rompida em circunstâncias odiosas, ficando aos olhos de todo o Islã como uma violação da fé engajada.

Renaud recusou brutalmente todos os apelos à honra ou ao dever a ele dirigidos. O infeliz rei confessou sua impotência a Saladino. Foi a guerra geral.

Ao mesmo tempo, foi a ruína da autoridade monárquica e do Estado franco. O mais poderoso dos vassalos feudais aproveitou da decadência física do rei leproso para proclamar implicitamente o fim da monarquia.

Desafiando-a abertamente, ele jogou o rei e o reino na via do suicídio.

Do Cairo, Saladino acorreu a Transjordânia com todo o exército egípcio. Renaud de Châtillon, que acabava de desrespeitar a autoridade real, implorou o auxílio de Balduíno IV para preservar seu feudo.

O jovem rei, cuja santidade igualava ao heroísmo, teve a generosidade de ouvir esse apelo, apesar do risco de desguarnecer a Palestina.

Ele desceu com o exército francês para Moab; mas, evitando o engalfinhamento, Saladino escapuliu para Damasco, enquanto outros corpos muçulmanos faziam incursões pela Galileia a sangue e a fogo.

O sultão atravessou o Jordão com todas suas forças, invadiu a Galileia, atacou a praça de Beisan e a fortaleza franca de Belvoir, atual Kaukab, que defendia a rota de Nazaré.

O exército de Balduíno voltou de Moab e tomou posição diante dele. Apesar da inferioridade numérica, os francos apresentaram uma atitude tão fera, que Saladino, diante da agressividade do contra-ataque, voltou a atravessar o Jordão vencido (julho de 1182).

(Autor: René Grousset, de l’Académie française, L’épopée des Croisades, Perrin, Paris, 2002, 321 páginas, pp 171 e ss. Excertos).

continua no próximo post: Diante de Beirute, Saladino foge de Balduíno IV


GLÓRIA CASTELOS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

segunda-feira, 2 de março de 2015

Saladino é forçado a aceitar a paz diante do rei leproso




continuação do post anterior: Contra Saladino, Balduíno IV conquista em Montgisard a mais bela vitória das armas cristãs



Balduíno aproveitou a vitória de Montgisard para pôr a Galileia a salvo das incursões oriundas de Damasco.

Em outubro de 1178, ele ergueu uma poderosa fortaleza no Outeiro de Jacó, sobre as margens do alto Jordão, destinada a controlar a rota histórica que vai de Tiberíades a Qouneitra.

Mais ao norte, nas fontes do Jordão, disputou aos damascenos a região de Baniyas, velha marca fronteiriça perdida havia pouco tempo.

Em abril de 1179, junto com seu condestável Onfroi de Toron, ele executou uma incursão não muito feliz, sendo surpreendido pelas tropas damascenas.

Responsável pela imprudência que pôs tudo a perder, o velho condestável salvou o jovem rei cobrindo-o com seu próprio corpo na retirada, e, crivado embora de feridas, conteve o inimigo e morreu com a honra salva em seu castelo de Hounin.

Entrementes, Saladino voltou do Egito com um novo exército e preparou em Baniyas a invasão da Galileia.

Ousadamente, Balduíno IV resolveu antecipar-se.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Contra Saladino, Balduíno IV conquista em Montgisard
a mais bela vitória das armas cristãs

Balduíno IV na batalha de Montgisard. Charles Philippe Larivière (1798-1876).
Balduíno IV na batalha de Montgisard. Charles Philippe Larivière (1798-1876).


continuação do post anterior: O rei leproso começa pondo em xeque o poder de Saladino



A brilhante vitória do jovem soberano na Beqaa só fazia aumentar o pranto pela doença incurável que o tinha atingido.


A lepra piorava, vedando-lhe qualquer esperança de casamento. No lendemain de seu triunfo ele se encontrou na obrigação de acertar as questões relativas à sucessão.

A escolha de Balduíno IV e de seus conselheiros recaiu no barão piemontês Guilherme Longa-Espada, filho do marquês de Montferrato.

No início de outubro de 1176 esse loiro jovem, um dos mais formosos e valentes cavaleiros de sua época, desembarcou em Sidon, onde desposou a princesa Sibila, irmã de Balduíno, em meio a magníficas festas.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Obama é criticado por historiadores por comparar as Cruzadas com o Estado Islâmico




WASHINGTON DC, 10 Fev. 15 (ACI) – “Não acredito que o presidente saiba muito sobre as cruzadas”, expressou o historiador da Universidade de San Louis (Estados Unidos) Thomas Madden, ao referir-se às declarações de Barack Obama no tradicional Café da Manhã Nacional de Oração, onde comparou as cruzadas com as atrocidades cometidas pelo Estado Islâmico (ISIS) contra cristãos crianças e adultos que são decapitados, crucificados ou vendidos como escravos no Iraque e na Síria.


segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

O rei leproso começa pondo em xeque o poder de Saladino

Coroação de Balduíno IV
Coroação de Balduíno IV

continuação do post anterior: Balduíno IV, o rei leproso que espantava os muçulmanos


Nos dias que se seguiram à morte de Amaury I e após a sagração de seu sucessor na Coroa do Santo Sepulcro, começou a luta pelo poder em volta do jovem doente.

Porém, como o reino corria grave perigo, o realismo prevaleceu e o instinto de conservação dominou o “Parlamento”, reunião realizada em Jerusalém no fim de 1174.

Dito “Parlamento” aclamou Raimundo III, conde de Trípoli, como regente, com o apoio da unanimidade dos bispos e dos nobres, decisão que “todo o povo recebeu com grande alegria”.

Tão logo assumiu sua função, o regente deu um golpe de mestre contra o Islã. No transcurso do inverno 1174—1175, Saladino veio sitiar Alepo. Se ele conseguisse tomar a praça, a unidade muçulmana ficaria selada do Sudão ao Eufrates.

Mas o conde de Trípoli correu e, com uma rápida intervenção sobre Homs, obrigou Saladino a deixar sua presa (fevereiro de 1175).

Enquanto o regente trabalhava desse jeito no norte, o menino-rei não ficava inativo na Palestina.

No mesmo ano de 1175, no momento da safra, ele se pôs à testa dos seus (tinha então 14 anos e a doença ainda não havia arrasado sua energia física). Conduziu então uma brilhante cavalgada para além do maciço do Hermon até Dareya, apenas a cinco quilômetros de Damasco.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Balduíno IV, o rei leproso que espantava os muçulmanos

Coroação de Amaury I, rei de Jerusalém
Biblioteca Nacional da França, Mss fr 68, folio 297v

A morte do rei de Jerusalém Amaury I [pai de Balduíno IV] foi um desastre. Jamais uma desaparição teve tão graves consequências para o destino de um Estado.

Como político audacioso, Amaury optou por vias novas, com iniciativas através das quais a Cruzada seria triunfante ou ferida de morte.

Após conseguir durante um momento estabelecer o protetorado franco sobre o Egito, viu seu intento virar contra ele e o Egito cair precisamente no poder do mais temível dos chefes muçulmanos: o grande Saladino.

Mas a última palavra ainda não havia sido pronunciada e tudo podia ser consertado. Porém, o destino levou-o brutalmente no momento decisivo.

Sua morte deixara o campo livre para Saladino. Este se apresentou em 25 de novembro de 1174 diante de Damasco, entrou sem encontrar resistência e anexou a grande cidade.

Homs e Hama tiveram a mesma sorte. Com exceção de Alepo, Saladino ficou dono da Síria muçulmana e do Egito.

Virada catastrófica de situações! Na véspera, o reino franco de Jerusalém se beneficiava da divisão político-confessional entre o Cairo e a Síria, manipulando à vontade a anarquia muçulmana e apresentando-se como árbitro do Oriente.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Como São Luis IX tratou aos terroristas do “Velho da Montanha”

São Luís recebe os enviados do chefe da "seita dos Assassinos"
São Luís recebe os enviados do chefe da "seita dos Assassinos".
Nicolas-Guy Brenet (1728 - 1792). Capela da École Militaire. Paris.

A seita do “Velho da Montanha” havia sido fundada por Hassan Ibn el-Sabbah um sacerdote persa zoroastriano que se instalou no Cairo. A seita era conhecida como a dos “Assassinos”, e marcou o Oriente Próximo durante perto de um século.

O terror que ela causava ficou condensado na frase de um poderoso senhor local: “Eu não ouso mais obedecer-lhe nem desobedecer-lhe”.

Um outro senhor que recebeu uma mensagem do “Velho da Montanha” intimando-o a se render, preferiu demolir seu castelo, sabendo estar ameaçado de morte a qualquer momento e ser assassinado em caso de desobediência, tal vez por algum de seus familiares drogado com maconha.

No ano de 1090, os membros da seita ismaelita dos “Assassinos” se apoderaram da fortaleza de Alamut (o “refúgio dos abutres”) nas montanhas da Pérsia.

A partir dali, eles estenderam progressivamente sua influência pela Síria e pela Palestina.

Desde aquele rochedo inexpugnável, logo rebatizado, o “refúgio da riqueza”, os grandes mestres da seita governavam por meio de intermediários.

Pelo fim do século XII, um deles de nome Rachid el-Din el-Sinan, era tão poderoso que negociava de igual a igual com Saladino.

Nunca foi anunciada a morte de algum dos grandes mestres. Visavam assim fazer que os adversários acreditassem que eram imortais.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Terror dos islâmicos, Balduino I consolida o reino

Balduino I entrando em Edessa.
Balduino I entrando em Edessa.
Luis Dufaur


O terror que os cristãos inspiravam era tão grande que os infiéis não ousavam mais enfrentar seus ataques, nem suportar lhes a presença.

Em vão o califa do Egito, ordenava aos seus emires, encerrados em Ascalon, que combatessem os francos e que trouxessem à sua presença, carregado de ferros, aquele povo mendigo e vagabundo: os guerreiros egípcios hesitavam em deixar seus abrigos e suas defesas.

Por fim, levados pelas ameaças do califa, encorajados pela multidão, tentaram uma incursão a Ramla. Balduino, avisado de sua marcha, reuniu depressa duzentos e oitenta cavaleiros e novecentos soldados de infantaria.

Logo que chegou diante do exército egípcio, dez vezes mais numeroso que o dos cristãos, disse aos soldados que eles iam combater pela glória de Cristo; se alguém tinha vontade de fugir, devia lembrar-se de que o Oriente não oferecia asilo para os vencidos e que a França estava muito longe.

O Patriarca de Jerusalém, há muito tempo em litígio com o rei, não tinha seguido o exército; o venerável abade Gerle, que trazia em seu lugar a verdadeira cruz, mostrou-a aos soldados, lembrando-lhes que deviam vencer' ou morrer.

O exército cristão contemplava num silencio morno a imensa multidão de sarracenos, etíopes, turcos, árabes, vindos do Egito. Estes, confiando em seu número, avançavam ao ruído de cornos e de tambores. Travam combate com tal fúria que as duas primeiras linhas dos cristãos são logo desfeitas.