segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Maomé é o nome mais atribuído a crianças
na Grã-Bretanha

Criança islâmica na Grã-Bretanha
Criança islâmica na Grã-Bretanha
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Somadas as suas diversas transliterações, Maomé é o nome de criança com maior número de registros na Inglaterra e Gales em 2016.

O nome mais frequente é Oliver, caso se considere a identidade de grafia, segundo o site “Quartz”.

Maomé pode ser registrado como “Muhammad”, “Mohammed” ou “Mohammad”, além de outras formas. Todas as variantes somadas fazem de Maomé o nome mais atribuído em 2016, segundo os dados do Office of National Statistics britânico.

Faz alguns anos que a predominância do nome Maomé se repete, superando nomes ingleses muito populares como Harry, Jack, Eric/Erik, Hanna/Hannah, Sean/Shaun e Oliver.

7.084 crianças foram registradas com o nome de “Maomé”, e 6.623 com o de Olivier.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Papa João VIII: indulgência para os que morrem lutando contra os inimigos da religião e da ordem cristã

Luís II recebe o Papa João VIII, Bibliothèque Nationale de Franc
Luiz II recebe o Papa João VIII, Bibliothèque Nationale de France
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O Papa João VIII governou a Igreja nos anos 872-882. A epístola seguinte é do ano 878.

“João VIII aos bispos do reino de Luiz II [da França].

“Vós tendes nos manifestado humildemente o desejo de saber se aqueles que morreram recentemente na guerra, combatendo em defesa da Igreja de Deus e pela preservação da religião e do Estado cristãos, ou aqueles que podem no futuro cair pela mesma causa, podem obter a indulgência de seus pecados.

“Com toda segurança nos vos respondemos que aqueles que, por amor à religião cristã, morram na batalha lutando bravamente contra os pagãos ou incrédulos, ganharão a vida eterna.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

O Islã quer conquistar a Espanha e invadir o mundo todo

O Islã quer conquistar a Espanha e invadir o mundo todo
O Islã quer conquistar a Espanha e invadir o mundo todo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Os atentados islâmicos acontecidos em Barcelona e outras cidades espanholas têm, na perspectiva corânica, um grande valor simbólico, escreveu Olivier d'Auzon jurista e consultor do Banco Mundial, nas páginas do Huffington Post.

A Espanha, e a península ibérica em geral, tiveram um papel saliente na história das conquistas e dos atropelos históricos do Islã.

Por isso, o Estado Islâmico – que se atribuiu os recentes atentados na Catalunha, com o saldo de pelo menos 17 mortos e 130 feridos – lançou em 2014 uma proclamação bélica a partir da Síria:

“Nós estamos em terra santa do Islã (...) vivemos sob a bandeira do Estado Islâmico e vamos morrer por ela enquanto não tenhamos recuperado todas as terras muçulmanas perdidas, desde Jakarta até a Andaluzia, e eu vos digo: a Espanha é a terra de nossos antepassados e vamos recuperá-la com a ajuda de Deus”.

A proclamação bélica contém o sonho de islâmicos, fanáticos ou moderados, de voltar a invadir a Espanha. A primeira invasão acabou sendo repelida após séculos de guerras de Reconquista. Para eles, chegou a hora da segunda.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Polícia religiosa chechena aterroriza até muçulmanos ‘relaxados’ em Berlim

Polícia religiosa fanática aterroriza até muçulmanos ‘relaxados’ em Berlim
Polícia religiosa fanática aterroriza até muçulmanos ‘relaxados’ em Berlim
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Cerca de cem islamistas já integram a autoproclamada Polícia da Moralidade que vigia a obediência à Lei Islâmica (Sharia) nas ruas da capital alemã, disse a polícia local, que investiga uma nova série de ataques violentos.

Esse é um dos dados de um informe elaborado por Soeren Kern, do Instituto Gatestone, sediado em Nova Iorque.

A polícia ilegal é composta por salafistas [N.R.: seita radical que cobra a Lei Islâmica ao pé-da-letra e da qual emanaram os terroristas “jihadistas”] vindos da Chechênia [parte da Rússia]. Eles agem como justiceiros e intimidam os migrantes para não se integrarem na sociedade alemã.

As autoridades germânicas que os recebem imbuídas do espírito de “diálogo”, “acolhida” e capitulação mostram-se incapazes de detê-los.

Em maio de 2017, salafistas chechenos lançaram um vídeo ameaçando de morte seus conterrâneos na Alemanha que não observam a lei islâmica e a Adat, velho código de conduta checheno.

O vídeo circulou via WhatsApp e mostrava um homem com capuz apontando uma pistola para a câmera. Falando em checheno, ele advertia:

“Aqui na Europa, certas mulheres e homens chechenos que se parecem com mulheres estão fazendo coisas abomináveis. É por isso que declaramos: aos que se afastaram de sua identidade nacional, que flertam com homens de outras etnias e se casam com eles, mulheres chechenas que escolhem o caminho errado, colocaremos todos na linha”.