segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Os meninos durante o cerco de Jerusalém


Os que lá estiveram contam que, enquanto a cidade esteve sitiada, depois dos freqüentes embates, sitiantes e sitiados misturavam-se uns com outros.

Acontecia muitas vezes que, tendo-se retirado os homens, era freqüente ver alguns batalhões de meninos avançando, uns desde a cidade e outros saindo do nosso meio e do acampamento de seus pais, e atacavam-se e combatiam imitando-os, tornando-se igualmente dignos de serem contemplados.

Porque, como dissemos no inicio desta história, quando se estendeu por todos os países do Ocidente a noticia da expedição a Jerusalém, os pais empreenderam a viagem levando consigo seus filhos, ainda meninos.

E foi assim que, mesmo quando os pais de alguns deles morreram, os filhos prosseguiram o caminho, habituaram-se aos trabalhos e, no tocante a misérias e privações de toda espécie, souberam agüentá-las e não se mostraram inferiores aos homens feitos.

Aqueles meninos formaram um batalhão e elegeram seus príncipes entre eles: um tomou o nome de Hugo, o Grande, outro o de Bohemundo, outro o de Conde do Flandres, outro o de Conde de Normandia, representando de tal modo a todos esses ilustres personagens e mais outros.

Sempre que algum desses jovens príncipes via algum dos seus carente de viveres ou de outras coisas, ia a procura dos Príncipes mencionados para lhes pedir provisões, e eles lhas davam em abundância, para sustentá-los dignamente em sua debilidade.

Santo AdriãoA jovem e singular milícia costumava aproximar-se para hostilizar os meninos da cidade, cada um deles armado com longas canas no lugar de lanças, cada um com seu escudo de vime entrelaçado, cada um, de acordo com suas forças, levando pequenos arcos e flechas.

Os meninos, bem como os da cidade, enquanto seus pais contemplavam-nos de ambas as partes, avançavam e encontravam-se no meio da planície; os habitantes da cidade saiam até às muralhas para ver, e os nossos deixavam suas tendas para assistir o combate.

Via-se, então, provocarem-se com brados e se darem golpes às vezes sangrentos, mas sem que nenhum deles corresse perigo de morte. Muitas vezes esses prelúdios animavam a coragem dos homens maduros e provocavam novos combates.

Ao verem o ardor impotente que animava aqueles membros delicados e esses fracos braços que agitavam alegremente armas de toda espécie, depois de se terem infligida de uma parte e outra feridas dadas e recebidas, amiúde os espectadores de mais idade adiantavam-se para tirar os meninos do centro de campo e engajarem entre si um novo combate.

(Fonte: “Crônicas de Gilberto de Noguent”, apud Régine Pernoud, “Las Cruzadas”, Los Libros del Mirasol, Compañía General Fabril Editora, S.A., Buenos Aires, 1964, pp. 80 s.)




Mandar atualizações instantâneas e gratuitas de 'As Cruzadas' para meu Email

GLÓRIA CASTELOS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE
Voltar a 'Glória da Idade MédiaCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.