terça-feira, 28 de maio de 2013

Excerto nº 3 : Os francos lutam epicamente mas vão sendo massacrados



Excerto nº 3 : Os francos lutam epicamente mas vão sendo massacrados

(continuação) Os barões católicos resistem epicamente.

O último ataque maometano é demoledor.

 Só ficam 60 francos. Roland e Olivier debatem: o quê fazer?

Para Olivier a morte é preferível à desonra.

Clique para ouvir :


IV
Vous auriez vu Roland et Oliver,
Vós tivesses visto Roland e Olivier

De leurs épées, férir et frapper,
Com suas espadas ferindo e golpeando,

Ce qui sont morts, on peut les estimer,
Aqueles que foram mortos podem-se bem os contar,

Il est écrit en chartes et en brefs,
Está escrito nas cartas e nos breves,

terça-feira, 14 de maio de 2013

Excerto nº 2 : O grande luto pela morte de Roland

Fonte de Roland, Bremen, Alemanha
Roland, Bremen, Alemanha.
Ouça o início

Excerto nº 2 : O grande luto pela morte de Rolando


(continuação) O combate é tremendo. Os francos lutam muito unidos e causam imensas perdas aos muçulmanos.

Mas, um a um vão caindo.

Fica só um punhado de heróis. Eles vão morrer.

Entrementes, simbólicos sinais da tragédia aparecem no céu da França.

Clique para ouvir :

II

Le combat est merveilleux et pesant.
A batalha é maravilhosa e pesada,

Moult bien y frappent, Olivier et Roland,
Muito bem golpeiam Olivier e Roland,

Le douze pairs ne retardent néant,
Os Doze Pares não perdem tempo,

Et les Français frappent communement,
E os franceses golpeiam todos juntos;

Meurent païens, milliers et cents !
Morrem os pagãos aos milhares e centenas:

Qui ne s’enfuit n’a pas d’autre garant,
Quem não foge não tem quem o salve.

Qu’ils veuillent ou non, Ils y laissent son temps.
Bom grado, mau grado, aí terminam seus dias.

Français y perdent leur meilleur gardements,
Mas os francos perdem seus melhores defensores.

Ne reverront ni pairs ni parents,
Eles não voltarão a ver nem os pais, nem os parentes,

Ni Charlemagne, qui au col les attend.
Nem Carlos Magno, que nas montanhas os aguarda.