segunda-feira, 8 de agosto de 2011

A reconquista de Jerusalém ‒ Gesta Dei per Francos 17





Finalmente, nossos chefes decidiram sitiar a cidade com máquinas de cerco, para que pudéssemos entrar e adorar o Salvador no Santo Sepulcro.

Eles construíram torres de madeira e muitas outras máquinas de cerco. O Duque Godofredo fez uma torre de madeira e outros dispositivos de cerco, e o Conde Raimundo fez o mesmo, embora fosse necessário trazer madeira de uma distância considerável.

No entanto, quando os Sarracenos viram nossos homens envolvidos neste trabalho, reforçaram enormemente as fortificações da cidade e aumentaram a altura das torres pequenas durante a noite.

Em uma determinada noite de sábado, os chefes, depois de terem decidido quais as partes da muralha eram mais fracas, arrastaram a torre e as máquinas para o lado oriental da cidade.

Além disso, montamos a torre de madrugada e a equipamos e cobrimos no primeiro, segundo e terceiro dias da semana. O Conde de St. Gilles ergueu sua torre na planície ao sul da cidade.

Enquanto tudo isso acontecia, nossa reserva de água era tão limitada que ninguém podia comprar água suficiente por um denário para satisfazer ou saciar sua sede.

Dia e noite, no quarto e quinto dias da semana, fizemos um determinado ataque à cidade de todos os lados.

No entanto, antes de fazermos este assalto à cidade, os bispos e padres convenceram a todos, exortando e pregando, para honrar o Senhor marchando em torno de Jerusalém em uma grande procissão, e se preparar para a batalha através da oração, do jejum e esmolas.


Logo no início do sexto dia da semana, mais uma vez atacamos a cidade de todos os lados, mas como o ataque foi mal sucedido, ficamos todos aturdidos e temerosos.

No entanto, quando se aproximou a hora em que Nosso Senhor Jesus Cristo se dignou a sofrer na cruz por nós, nossos cavaleiros começaram a lutar bravamente em uma das torres, ou seja, o grupo com o Duque Godofredo e seu irmão, o Conde Eustace.

Um dos nossos cavaleiros, chamado Letholdo, escalou o muro da cidade, e tão logo ele subiu os defensores fugiram dos muros e pela cidade.


Nossos homens os seguiram, matando até o Templo de Salomão, onde a matança foi tão grande que nossos homens patinavam em sangue até os tornozelos....

O Conde Raimundo trouxe o seu exército e sua torre até perto da muralha pelo sul, mas entre a torre e a muralha havia um fosso profundo.

Então, os nossos homens reuniram-se em conselho para decidir como poderiam preenchê-lo, e mandaram proclamar por arautos que aquele que carregasse três pedras para o fosso receberia um denário.

Foram necessários três dias e três noites de trabalho para enchê-lo, e quando finalmente a vala ficou cheia, moveram a torre até a muralha, mas os homens que defendiam essa parte da muralha lutaram desesperadamente com pedras e fogo.

Quando o Conde soube que o Francos já estavam na cidade, disse aos seus homens:

‒ “Por que tardais? Eis que o Francos estão agora mesmo dentro da cidade”.

O emir que comandava a Torre de São David entregou-se ao Conde e abriu o portão no qual os peregrinos sempre costumavam pagar o tributo.

Mas desta vez os peregrinos entraram na cidade, perseguindo e matando os Sarracenos até o Templo de Salomão, onde o inimigo se reunira em maior número.

A batalha durou o dia todo de tal forma que o Templo estava coberto de sangue. Quando os pagãos haviam sido derrotados, nossos homens prenderam um grande número, tanto homens quanto mulheres, quer matando-os ou mantendo-os em cativeiro, como desejavam.

No telhado do Templo um grande número de pagãos, de ambos os sexos, estava reunido, e estes foram levados sob a proteção de Tancredo e Gaston de Beert.

Mais tarde, o exército espalhou-se pela cidade e tomou posse do ouro e da prata, cavalos e mulas, e das casas cheias de bens de todos os tipos.

Regozijando e chorando de alegria, nosso povo veio para o Sepulcro de Jesus, nosso Salvador para adorar e pagar as suas dívidas [isto é, pagar o voto dos cruzados de rezar no Sepulcro].

Ao amanhecer, nossos homens cautelosamente foram até o telhado do Templo e atacaram os homens e mulheres Sarracenos, decapitando-os com espadas nuas.

Alguns dos Sarracenos, contudo, saltaram do telhado do Templo. Tancredo, vendo isso, ficou muito irritado.

Fonte: August C. Krey, A Primeira Cruzada: relatos de testemunhas e participantes, (Princeton: 1921), 256-57. [O último parágrafo do Brundage, Cruzadas: uma História Documental (Milwaukee: 1962), 64].


GLÓRIA CASTELOS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

  1. Parabéns pela página.
    A única ressalva é no que diz respeito às (belíssimas) ilustrações, que poderiam vir com explicações acerca das mesmas.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.