Outras formas de visualizar o blog:

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O sultão Saladino descreve o perfil moral dos cruzados

Eis como Saladino — o mais famoso guerreiro que o mundo muçulmano produziu — via os católicos. É interessante notar que a carta foi escrita quando o Reino Latino de Jerusalém estava em decadência. Nela, o maometano dirigia-se aos potentados árabes, pedindo reforços.

"Esperamos da bondade de Allah que o perigo em que nos encontramos reacenda o zelo dos muçulmanos, e que se esforcem para extinguir o ardor de nossos inimigos, para abater o edifício que os francos construíram.

"Enquanto nossos inimigos acorrem por terra, nosso país está ameaçado pelas maiores desgraças. O que nos deixa estupefatos é ver o esforço dos infiéis e a indiferença dos verdadeiros crentes.



"Há um só muçulmano que responda ao convite e venha, quando é chamado a lutar? Vede entretanto os cristãos. Vede como eles vêm em multidões, como eles se apressam a enviar reforços, como se sustentam mutuamente, como fazem o sacrifício de suas riquezas, como se cotizam juntos, como se resignam às maiores privações!

Do lado deles não há um rei, um senhor, uma ilha ou cidade, um homem por pouco marcante que seja, que não envie a esta guerra seus súditos e camponeses para os representarem sobre este teatro de bravura". (G. Bordonove, "Les Templiers")

Mandar atualizações instantâneas e gratuitas de 'As Cruzadas' para meu Email

13 comentários:

  1. Realmente é confortante ver que um ser humano sendo o mínimo amigo da verdade, consegue ver através do testemunho dos cristãos que algo necessariamente lhes move...

    ResponderExcluir
  2. Joao B Sulzbacher29 de maio de 2009 13:58

    Os legados da história contemplam a alma e provam que o "homem" a guisa do poder estuda minuciosamente seus oponentes qualquer seja a epoca, e assim mesmo consegue interpor-se aos seus "suditos" com a voz da verdade a emanar uma soberana e incontestavel ordem. Cruzados ou Templários? Quem saberá da verdade inspirada naqueles momentos, certo é que jerusalem lá está, ao horizonte, dos cristãos, mulçumanos e outros, SEMPRE ao horizonte, alguem um dia a conquistará como Jesus o fez. TAF

    ResponderExcluir
  3. As guerras, ao que tudo indica é um mal necessário, o mais interessante, é que essa guerra desde o principio é travada entre irmãos. O sangue sempre esteve presente nas maiores mudanças, o episódio Caim e Abel, Isaque e Ismael (Judeus e Árabes), nenhum desses se chegou a um bom termo, mas num desses episodios, o mais fenomenal, é o derramamento do sangue do Cordeiro, a maior de todas as revoluções, essa trouxe solução definitiva para o "homem", oxalá que todas as guerras fossem como essa, contra o pecado, contra a miséria, contra a injustiça.

    ResponderExcluir
  4. o que eu estava procurando, obrigado

    ResponderExcluir
  5. É bem do tipo de cristãos mesmo,embora Cristo sempre disse para sermos unidos na fé e repudiar a violência, quando esta eclode os líderes religiosos mandam seus vassalos para o campo de batalha, ao passo que os líderes religiosos mulçumanos tomam a frente no campo de batalha.As palavras de cristo não foi entendida até hoje e nunca será.

    ResponderExcluir
  6. Enquanto não houver respeito pela fé .... sempre haverão guerras !!! Deus nos deu a fé ...o homem criou as religiões e por pura ignorancia ....usam o nome de Deus para matar em nome dela !!! creio que a decepção de Deus para com sua maior criação " o homem " deva ser imensurável !!!!

    ResponderExcluir
  7. Leiam o REI LEPROSO de Zofia Kossak

    ResponderExcluir
  8. Saladino infringiu as maiores derrotas aos cruzados.O interessante que nome de Cruzado não se ouve falr, e sim o de Saladino.Antes, Jerusalém era um local onde conviviam judeus, muçulmanos e cristãos. E hoje?

    ResponderExcluir
  9. Marcos Ferreira johs15 de fevereiro de 2013 01:31

    saladino personifica o gerreiro moral, aquele que não tinha qualquer constrangimento em ser sanguiario em batallha, mas que porem após alimentava e tratava seus prisioneiros com honra, matar sim! se preciso for!, a sena do filme onde diz " um rei não mata outro" mostra o politico audaz, ao mesmo tempo não perdoa o "genneral fanfarrão" sou fã desse cara

    ResponderExcluir
  10. O filme Cruzada não trata com fidelidade a história da tomada de Jerusalém, embora realmente traga personagens baseados em fatos reais. Saladino foi o único que a meu ver foi tratado com fidelidade: extremamente sanguinário contra os que ousavam enfrentá-lo em campo de batalha, mas dotado de um respeito mútuo quando estes caiam. O resto dos personagens foi somente caricaturas para criar um roteiro com algum nexo para o filme.

    ResponderExcluir
  11. assisti o filme cruzada pois sempre assisto esse filme sempre gostei de filmes que falassem sobre historias medievais.

    ResponderExcluir
  12. Saladim, sempre será um mujardim "que a paz de Deus esteja com ele) Alá Akbar.

    ResponderExcluir
  13. Salah Al Din Yusuf..O Saladino da cultura ocidental...foi o grande campeao da Guerra Santa...

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.